Metallica: Veja trachos da entrevista com Lars Ulrich

metallica Lars-Ulrich-Wallpaper-2

O baterista do Metallica, Lars Ulrich, foi entrevistado pelo programa La Viola, na Argentina. Alguns trechos desta conversa estão disponíveis abaixo.

Sobre se todo o criticismo encorajou o Metallica a tentar coisas diferentes com o passar dos anos:

Ulrich: “Eu acho que o Metallica é criticado mais ou menos desde seu início. Quero dizer, os fãs de hard rock levam isso bem a sério, e eu acho que algumas vezes sério demais. Eles são muito vocais – apaixonados, mas algumas vezes você tem que balancear isso dizendo: ‘Ok, todo mundo, vamos nos acalmar. É só rock and roll.’ Ou algo assim. Então eu acho que nós tentamos achar o equilíbrio certo. Os membros do Metallica sempre foram curiosos e bem interessados em fazer coisas diferentes e abertos a diferentes formas de fazer as coisas. Eu acho que quando éramos mais jovens, nós não éramos tão confiantes, quando éramos mais jovens, nós estávamos tentando tocar muito e mostrar o nosso talento. Agora nós estamos muito confortáveis com quem somos, eu acho que quando você envelhece um pouco, e consegue mais experiência, você se preocupa menos com o que as pessoas vão pensar e você se torna mais confortável com você mesmo. […]”

Sobre se ele e o resto do Metallica estavam brincando quando afirmaram ser “beliebers”, fãs do cantor pop Justin Bieber:

Ulrich: “Não. Você sabe, ele é um rapaz talentoso. Ele é talentoso. Quero dizer, obviamente ele não facilita as coisas e eu só posso imaginar como é difícil ter de lidar com todos estando em cima de você 24 horas por dia. Eu não desejo isso para ninguém.”

Sobre o tipo de música que ele gosta de ouvir em seu tempo livre:

Ulrich: “Eu ouço o que meus filhos estão ouvindo, porque eles sempre sequestram meu som, eles roubam o som no carro. Nós chegamos no carro e eles tomam controle do iPod. Então, por sorte, meus filhos escutam System Of A Down, Foo Fighters, Arctic Monkeys, Queens Of The Stone Age, AC/DC…”

Sobre como é ser o Metallica em 2014:

Ulrich: “É excitante. São tempos excitantes. Nos últimos, eu não sei, seis meses, nós finalizamos nosso filme, fomos à Antártica, tocamos no Grammy novamente, o que foi legal, nós começamos a compor as músicas e preparar o próximo disco, o que é bem excitante. Nós estamos aqui entre todas essas belas pessoas tocando nosso setlist ‘By Request’ e vamos para novos lugares. Estivemos em Quito dois dias atrás, onde nunca estivemos antes. Nós estamos tocando nossa nova música, que as pessoas parecem ter gostado bastante. Estamos escrevendo. Nós temos boas ideias, nosso maior problema não são as ideias, nosso maior problema é o tempo. O Metallica está mais ocupado do que nunca, e parece que há cada vez mais e mais acontecendo e os dias estão cada vez mais curtos, mas com sorte, vamos finalizar a composição esse ano e no ano que vem vamos poder gravar e com sorte teremos um novo disco talvez no ano que vem. Vamos ver. Com sorte no ano que vem.”