Arquivo da categoria: Coberturas

Fotos: Show gratuito do Angra em Piedade-SP

BANNER OUÇA 2016

No último domingo 22 de maio, aconteceu na Cidade de Piedade-SP o show gratuito da banda Angra, O show fez parte das comemorações de aniversário da cidade. Antes do Angra outras bandas locais se apresentaram para formar o dia do Rock na festa.
13241156_283625928647962_3030788529011397668_n

Este show fez parte da turnê de comemoração de 20 anos de lançamento do álbum Holy Land.

Confira o set list:

1- Intro/Newbor mw

2 – Waiting Silence

3 – Wings Of Reality

4 – Nothing To Say

5 – Silence And Distance

6 – Carolina IV

7 – Holy Land

8 – The Shaman

9 – Make Believe

10 – Z.I.T.O.

11 – Deep Blue

12 – Lullaby For Lucifer

13- Silent Call

14 – Final Light

15 – Time

16 – Storm Of Emotions

17 – Angels And Demons

18 – Rebirth

19 – Nova Era

Veja a galeria de Fotos do Show, feitas pelo fotografo Christian Cardoso.

 

Cobertura: Terrordome e Uganga no Asteroid bar – Sorocaba – SP 28-01-16

DSC03350

Sabe aquele role necessário de Quinta a noite? Pois é este foi um dele, a cidade de Sorocaba chegou a tremer um pouco pela apresentação desta duas Bandas ontem a noite no Asteroid.

O os caras do TerrorDome, são da Polônia e estão fazendo uma serie de shows pelo Brasil e ontem eles passaram por Sorocaba, Mostrando ao publico seu Thrash Crossover os caras botaram a cabeça de quem estava presenta pra balançar. Num bate Papo rápido com o Vocalista Uappa e o Baterista Murgrabia eles disseram estar gostando bastante desta Tour pelo Brasil, e que as pessoas tem recebido o som deles.

Logo em seguida foi a vez dos brazucas do Uganga subirem no palco e destilarem o seu Som. Com riffs rápidos e vocais afiados eles mostraram que o Brasil tem ótimas bandas de som autoral, um detalhe importante sobre o Uganga são as suas letras cantadas em português que não perdem em nada para as musicas cantadas em inglês. O público presente foi a loucura com o Uganga, formando “rodinhas” em vários momentos.

Um dos pontos altos da apresentação foi o cover de Ace of Spades do Motorhead, uma homenagem mais do que justa. O vídeo você pode ver abaixo.

Veja também algumas fotos dos shows!!

Resenha Show: Rock Of Ages – Sorocaba SP

rock ages

Definitivamente o evento Rock of Ages, entrou para a história dos grandes eventos de musica de Sorocaba região. Em 2014 ele chegou na sua terceira edição e mais uma vez foi sucesso de público e crítica.

O Rock Ages é como se fosse uma celebração a música pesada e ao Rock´n Roll. Reunindo mais de 4o músicos que se revesam no palco ao longo de mais de 6 horas.  Este ano participaram membros de bandas como: LAUDANY, OZ MACHINE, HIPPIE HUNTER, PASTORE, COOL DEVILS, METALLICA4ALL, ACID GLAMOUR. O legal deste evento é que dificilmente a banda que esta no palco esta com seus membros habituais, a todo momento troca um vocalista, o guitarrista e assim por diante. O repertório deste ano foi escolhido a dedo, para fazer o público quem estivesse no local delirar, de uma olhada no set list do evento.

Artist Song
The Yardbirds(Paul Gilbert) Heart Full of Soul
ZZ Top Tush
Sweet Fox On The Run
Grand Funk We Are an American Band
Led Zeppelin Kashmir
Led Zeppelin Moby Dick
Pink Floyd Time
Kansas Carry On Wayward Son
Deep Purple Mistreated
Gary Moore(Nightwish) Over the Hills and Far Away
Rainbow Man On The Silver Mountain
Uriah Heep Sympathy
UFO Rock Bottom
Thin Lizzy Rosalie
Acdc Highway to Hell
Kiss Love Gun
Van Halen Unchained
Rush Tom Sawyer
Marillion Kayleigh
Whitesnake Crying In The Rain
Europe Rock the night
Def Leppard Rock of Ages
Judas Priest Jawbreaker
Motorhead The Chase Is Better Than The Catch
Black Sabbath Mob Rules
Saxon Crusader
Krokus Fire
W.A.S.P. The Idol
Black Sabbath Heaven and Hell
Manowar Blood Of My Enemies
Dio The Last In Line
Aerosmith Dream On
Deep Purple Sometimes I Feel Like Screaming
Queen Under Pressure
Queen Love of My Life
Queen Radio Gaga
Queen(Blind Guardian) Spread Your Wings
Queen Tie You Mother Down
Queen We Will Rock You
Ozzy Osbourne No More Tears
Iron Maiden Killers
Iron Maiden Aces High
Stratovarius Paradise
Blind Guardian Lord of the Rings
Gamma Ray Rebellion in Dreamland
Savatage Sirens
Golpe de Estado Libertacao Feminina
Ratos de Porão Beber Até Morrer
Slayer Mandatory Suicide
Pantera Cowboys From Hell
Metallica Orion
Metallica Enter Sandman
Metallica Ride the Lightning
Metallica Seek & Destroy
Megadeth Trust
Black Sabbath Snowblind
Aerosmith Dream On

Dentre todas esta música vale ressaltar a música Highway to Hell do AC/DC, que foi uma das mais empolgantes do evento, pois praticamente todos os músicos que estavam participando subiram no palco para entoar a musica em coro. O que mais chamou a atenção foi que por mais que perecesse uma diversão dos músicos, pela constante descontração no palco, todas as múcicas foram executadas maravilhosamente. Era mágico ouvir e ver cada música com sua formação de músicos sendo executada da melhor forma possível.

Veja a baixo a execução da música Time do Pink Floyd, gravada nesta edição do Rock of Ages.

Mais uma vez o público compareceu em peso, o Pirilampus praticamente lotou.

Espero que em 2015 o Rock of Ages volte com força total, pois precisamos de eventos como este para mostrar a força a qualidade e a determinação dos nossos músicos.

Quero deixar aqui o meu agradecimento ao Samuel Ribeiro que batalhou e mais uma vez tirou esse evento do papel. Agradecer também o freezer lotado de cerveja geladíssima que ele liberou pra gente no backstage. (kkkkk).

Veja a baixo a galeria de fotos do evento.

Resenha Show: Noturnall – Sorocaba 16-05-2014

Noturnall Sorocaba (41 de 42)

No último dia 16 de maio, aconteceu na cidade de Sorocaba o show do Noturnall. O evento ocorreu no Pirilampus Bar e Boliche com as bandas Hammathaz e Blackdome de abertura.

O Noturnall é uma formado pelos integrantes da banda Shaman, mais o experiente baterista Aquiles Priester (Ex-Angra, Hangar). Este show foi o terceiro da banda em promoção de seu aclamado álbum de estreia, Noturnall.

Quem compareceu ao show pode ver uma banda totalmente renovada e inspirada. Quem ouviu o álbum do Noturnall, sabe que o som dos caras é uma pegada totalmente nova, se comparado com suas bandas anteriores. O set list contou é claro com as musicas do seu álbum de estreia e magníficos covers de bandas como Pantera e Tears for Fears. Esta última contou com a emocionante participação da mãe do vocalista Thiago Bianchi, a cantora Maria Odete.

Para quem ainda não viu o videoclipe desta parceria veja a baixo:

Como citei acima o show foi repleto de surpresas, além de vários solos como os do guitarrista, Léo Mancini, Um solo em conjunto do baixista, Fernando Quesada e do tecladista, Junior Carelli. Claro que não poderia faltar o grande solo de bateria de Aquiles Priester, que levantou o publico.

Confira abaixo a entrevista que o vocalista Thiago Bianchi concedeu para a Metal Generation.

Veja a galeria de fotos do Show:

Resenha Show: Revamp, São Paulo 2014

Revamp SP 6

Pontualmente, o Revamp subiu ao palco da Clash Club em São Paulo em sua primeira apresentação no País embora a vocalista e principal figura da banda, Floor Jansen, já tenha se apresentado por aqui tanto com o Nightwish como com o After Forever anteriormente.

Floor consegue lidar com a responsabilidade de comandar uma banda, e também sabe comandar o público ao pedir interação, assim como alternar entre vocais líricos e normais além de guturais, tanto os dela quanto os feitos por Björn “Speed” Strid em “In Sickness ‘Till Death Do Us Part – Disdain”.

Com o público em mãos, não demorou para as demonstrações de carinho destes surgirem, desde a bandeira brasileira já arremessada ao palco logo no início do show quanto ao “momento de entrega de presentes”, os quais a vocalista postou uma foto em sua conta pessoal no Instagram após a apresentação. E essa interação online também se fez presente quando Floor filmou os fãs para os diários de turnê que são publicados pelo grupo ao longo dos países que visitam.

Como o grupo tem apenas dois discos lançados e fez um set com 20 músicas, algo que não é muito comum nos shows principalmente de grupos novos, quase todo o material do Revamp foi executado ao vivo, incluindo algumas faixas bônus dos discos como “Sins”. Algo a se elogiar pois algumas bandas, na mesma situação, poderiam fazer um set menor e/ou completá-lo com covers, o que não ocorreu.

O grupo talvez não entre para a lista das turnês frequentes em nosso País, principalmente porque Floor em breve deve entrar em estúdio e depois ir para a estrada com o Nightwish, deixando o Revamp de lado por um tempo, por isso para os fãs que esperaram para vê-los ao vivo, a apresentação teve um saldo positivo e um quê de especial não só pelo setlist como pelo fato que o grupo fará cinco apresentações no total no Brasil.

Confira a baixo a galeria de fotos:

Fonte: Território da música

Resenhas: Panzer Fest 2 – Um evento de sucesso em sua segunda edição.

panzerfest2

Após o sucesso da primeira edição do PANZER FEST, a banda anuncia a segunda edição do evento.

O PANZER FEST 2 acontecerá no dia 7 de Dezembro, a partir das 18Hs no Clash Club, em São Paulo. Esta segunda edição do evento contará com as bandas: FIRE STRIKE, KAMBOJA, EXECUTER, PANZER e VULCANO.

Um vídeo com todas as informações do evento foi produzido e pode ser assistido aqui:

O Panzer Fest recebeu excelentes críticas e mostrou que é sim possível fazer festivais de qualidade, com respeito às bandas e ao público, contando apenas com grupos nacionais. Confira algumas resenhas:

“A música pesada produzida neste país foi, é e sempre será única. Como o meu amigo Sérgio Baloff, vocalista do Headhunter DC, comenta, temos o “Typical Brazilian Metal”, algo que fulano ou beltrano jamais tirará de nós, pois é nato. Assim como o é nos demais lugares deste mundão metálico que nos cerca. Eu sou daqueles que se aproxima dos seus semelhantes, por conta disso prefiro chegar junto da turma do tirando-o-traseiro-da-cadeira-para-fazer-alguma-coisa-ao-invés-de-buscar-culpados. O bom é que não interessa o tamanho de sua ação, mas o que te leva a realizá-la. Quer um exemplo classe A? O PANZER FEST.” – Whiplash! Um vídeo com todas as informações do evento foi produzido e pode ser assistido aqui:

O Panzer Fest recebeu excelentes críticas e mostrou que é sim possível fazer festivais de qualidade, com respeito às bandas e ao público, contando apenas com grupos nacionais. Confira algumas resenhas:

“A música pesada produzida neste país foi, é e sempre será única. Como o meu amigo Sérgio Baloff, vocalista do Headhunter DC, comenta, temos o “Typical Brazilian Metal”, algo que fulano ou beltrano jamais tirará de nós, pois é nato. Assim como o é nos demais lugares deste mundão metálico que nos cerca. Eu sou daqueles que se aproxima dos seus semelhantes, por conta disso prefiro chegar junto da turma do tirando-o-traseiro-da-cadeira-para-fazer-alguma-coisa-ao-invés-de-buscar-culpados. O bom é que não interessa o tamanho de sua ação, mas o que te leva a realizá-la. Quer um exemplo classe A? O PANZER FEST.” – Whiplash! http://goo.gl/U4WXl

“O Panzer Fest foi sem dúvida algo estrondoso e somente quem estava no local pode compreender a energia da qual estou falando e que foi passada ao público com cinco bandas muito bem preparadas, que subiram ao palco não somente para levantar a bandeira do nosso país como para demonstrar que estão no mesmo nível de bandas estrangeiras. Foi como se o Brasil estivesse assinando sua carta de alforria em relação a dependência de bandas gringas por parte do público, para proporcionar aos fãs do verdadeiro Metal uma noite de extrema diversão e entretenimento.” – Heavy Nation http://goo.gl/bkkmj

“Por fim, tivemos um festival muito bem organizado e com bandas de altíssima qualidade escolhidas a dedo em nosso cenário nacional. Esperando que definitivamente este entre para a agenda de festivais dos próximos anos, para que o público com sede de bandas brasileiras possa comparecer e cada vez mais contribuírem para que nossa cena continue e aumente cada vez mais.” – Rock Express http://goo.gl/qU9gS

“Falando em qualidade, foi isso que se ouviu durante todo o evento pelas pessoas que elogiaram tamanha organização. Impressionante como tudo funcionou de forma correta: cronograma fixado nas paredes dos camarins para melhor atender a imprensa e com os horários respeitados a risca pelas bandas, equipe de palco fazendo com que a troca de equipamentos fosse bem rápida. Isto sem contar com a equipe de iluminação e de som, que deixaram tudo adequadamente satisfatório – os logotipos das bandas e das marcas que apoiaram o festival foram mostrados em projetores digitais. Aparelhagem digna de grandes eventos, camarins reservados para no máximo duas bandas juntas e um som límpido que saía dos PA’s. Como se isso não bastasse, vale mencionar a localização e fácil acesso que a casa proporciona, além da boa acústica e espaço.” – Roadie Crew http://goo.gl/bTWkh

“O Panzer Fest foi sem dúvida algo estrondoso e somente quem estava no local pode compreender a energia da qual estou falando e que foi passada ao público com cinco bandas muito bem preparadas, que subiram ao palco não somente para levantar a bandeira do nosso país como para demonstrar que estão no mesmo nível de bandas estrangeiras. Foi como se o Brasil estivesse assinando sua carta de alforria em relação a dependência de bandas gringas por parte do público, para proporcionar aos fãs do verdadeiro Metal uma noite de extrema diversão e entretenimento.” – Heavy Nation http://goo.gl/bkkmj

“Por fim, tivemos um festival muito bem organizado e com bandas de altíssima qualidade escolhidas a dedo em nosso cenário nacional. Esperando que definitivamente este entre para a agenda de festivais dos próximos anos, para que o público com sede de bandas brasileiras possa comparecer e cada vez mais contribuírem para que nossa cena continue e aumente cada vez mais.” – Rock Express http://goo.gl/qU9gS

“Falando em qualidade, foi isso que se ouviu durante todo o evento pelas pessoas que elogiaram tamanha organização. Impressionante como tudo funcionou de forma correta: cronograma fixado nas paredes dos camarins para melhor atender a imprensa e com os horários respeitados a risca pelas bandas, equipe de palco fazendo com que a troca de equipamentos fosse bem rápida. Isto sem contar com a equipe de iluminação e de som, que deixaram tudo adequadamente satisfatório – os logotipos das bandas e das marcas que apoiaram o festival foram mostrados em projetores digitais. Aparelhagem digna de grandes eventos, camarins reservados para no máximo duas bandas juntas e um som límpido que saía dos PA’s. Como se isso não bastasse, vale mencionar a localização e fácil acesso que a casa proporciona, além da boa acústica e espaço.” – Roadie Crew http://goo.gl/bTWkh

Mais informações:
https://www.facebook.com/panzermetal

Fonte: Metal Media

Saiba como foi e veja as fotos do Show do Black Sabbath no Campo de Marte

Black Sabbath SP (5 de 15)

Primeiramente, por julgar a excelente qualidade do texto apresentado no site Whiplash.net sobre o show do Black Sabbath, optei por cita-lo nesta postagem.

Para ler o texto completo acesse: http://whiplash.net/materias/shows/190214-blacksabbath.html

Cinco minutos antes da data marcada inicialmente, sobe ao palco o MEGADETH, enquanto a plateia gritava o seu nome. O show começou com o clássico “Hangar 18”, com seus quinhentos solos. O som, estava muito bom, com todos os instrumentos muito nítidos e em volume adequado. Impressionante também era a exibição nos três telões de palco, mesclando imagens ao vivo com imagens relativas ao teor lírico das músicas, como, por exemplo, ETs em “Hangar 18”, Lobisomens em “She-Wolf” e por aí vai. Uma banda de abertura de luxo com uma luxuosa produção.

“Kingmaker”, única do equivocado “Super Collider” teve partes de sua letra nos telões (foi a única que precisou disso, uma vez que todas as outras letras já eram cantadas por boa parte da plateia) e pareceu ainda melhor ao vivo que em sua versão do CD. Foi seguida de “Symphony of Destruction”, em que os fãs da banda americana chegaram a cantar até mesmo o riff (me-ga-deth, me-ga-deth, me-ga-deth).

Algo que também é digno de nota é que não se podia ver nenhuma roda de mosh (comum em shows de thrash metal). A banda tampouco interagia com a plateia. O baixista David Ellefson e o guitarrista Chris Broderick até eram mais simpáticos, mas não falaram nada até Ellefson tomar o microfone antes de “Peace Sells” (que é introduzida por seu baixo) e dizer: E aí, São Paulo?”. Só ao fim da música, o primeiro “Thank You” de Dave Mustaine. Apagam-se as luzes, mas logo o quarteto volta com Dave mais sorridente e com outra guitarra, com motivos do “Rust in Peace”. O agora falante Dave Mustaine pergunta a plateia: “Vocês estão se sentindo bem? “, antes de declarar -“Eu estava ouvindo vocês cantando e isto é um fato: São Paulo tem a plateia que canta mais alto na turnê”. Amigos cariocas e mineiros, ele talvez vá dizer a mesma coisa nos próximos shows.

“Holly Wars” fechou de forma brilhante um show bastante direto em que o MEGADETH chegou, resolveu o problema e foi embora. Dave ainda aconselhou: “Dirijam com cuidado quando forem pra casa, porque nós queremos ver vocês outra vez”.

BLACK SABBATH

No intervalo entre uma banda e outra, amigos que se conheceram ali mesmo contavam a roqueiros novatos como era gostar de música nos anos 80 e 90, principalmente sobre como era usar fitas cassetes e as mil e uma utilidades de uma caneta bic (se você sabe, você não é tão jovem). Sem nenhum aviso, uma voz começa a entoar no microfone um “ô ô ô ô ô ô ô ô”. Surpresa. Era o madman que não queria saber mais de esperar. O público vai a loucura e, mesmo com as sirenes de “War Pigs” aqueles três monstros sagrados estavam bem ali na frente. Todas as mãos estavam pra cima. Ainda não dava pra saber o que estava acontecendo. Só no meio da música é que “cai a ficha”, com todas as vozes cantando “War Pigs”. Com o baixo e a plateia na mão, Geezer Butler sozinho já pagaria o show. Mas ele não está sozinho. Vem acompanhado de Ozzy Osbourne, velho, louco, corcunda, falido e ainda um dos melhores front-men da história do heavy metal, e de Tony Iommi, criador de riffs que ficaram marcados na música e que vão viver pra sempre (assim como ele). Atrás do trio, todos vestidos de preto, está Tommy Clufetos, um aprendiz de John Bonham, um aprendiz de Bill Ward. “Sabbath, Sabbath, Sabbath”, grita a plateia.

Ozzy anuncia “Into The Void”, música que ouso dizer que tem o primeiro riff thrash metal da história (até nisso os velhos são pioneiros). E é aqui que ele dá sua primeira mancada em solo paulista. “Alô, Rio. Como vocês estão indo aí? “. Isso mesmo. Em São Paulo, Ozzy saudou o Rio. Nada demais pra quem muito recentemente exibiu uma bandeira brasileira na Argentina. E haviam bandeiras do Figueirense (time de Santa Catarina) e do Paraná na plateia. Por sorte (ou por azar), o madman não pegou alguma delas.

Mas Ozzy é o Ozzy e sempre será perdoado. E, ao fim de “Under The Sun”, ele agradece com um “Obrigado, Deus os abençoe”. Nesse caso, deve ter sido uma ironia (a letra é bem contrária a seguir uma religião) ou apenas mais uma mostra da dualidade que sempre esteve presente no BLACK SABBATH.

Depois de “Snowblind” (cujo verso “oculto” foi muito bem pronunciado mais de uma vez), “Age of Reason” é a primeira de “13”. Apesar da qualidade da faixa, uma das melhores do novo álbum, o público fica mais calmo (o que não quer dizer que não a estavam apreciando). Ao fim, todos já estavam balançando as mãos. Uma opinião colhida no meio da plateia é importante ser explicitada aqui. Um amigo, que ainda não tinha ouvido o “13”, chegou a dizer que acreditaria se lhe contassem que a faixa era dos anos 70.

Ozzy ainda arranjaria tempo para fazer tratos com a plateia, como fez em outras praças. “Se vocês ficarem muito doidos, a gente toca mais duas músicas”. E é a vez dos riffs monstruosos de “Children of The Grave”. A voz de Ozzy manteve-se boa durante quase todo o show. Aqui, falha, mesmo que levemente.

Para por fim à noite de nosso encontro com os criadores do metal, “Paranoid”. E finalmente aparece a roda que até ali a plateia estava devendo.

Fim. Não o começo do fim ou fim do começo. É o fim do fim. Se poderemos ver novamente esses monstros no palco fazendo o que eles nasceram pra fazer, só o tempo dirá. Mas, se depender da vontade de cada um dos 50, 60, 70 mil presentes, este foi apenas o começo do começo.

….

Para ler o texto completo acesse: http://whiplash.net/materias/shows/190214-blacksabbath.html

Setlist MEGADETH

Hangar 18
Wake Up Dead
In My Darkest Hour
She-Wolf
Sweating Bullets
Kingmaker
Tornado of Souls
Symphony of Destruction
Peace Sells
Holy Wars… The Punishment Due

Setlist BLACK SABBATH

War Pigs
Into the Void
Under the Sun
Snowblind
Age of Reason
Black Sabbath
Behind the Wall of Sleep
N.I.B.
End of the Beginning
Fairies Wear Boots
Rat Salad / Drum Solo
Iron Man
God Is Dead?
Dirty Women
Children of the Grave

Encore:
Paranoid
(Sabbath Bloody Sabbath Intro)

Veja a galeria de Fotos Abaixo:

Veja as fotos da décima edição do festival Live To Rock em Sorocaba SP

No último sábado 21/09 rolou na cidade de Sorocaba a décima edição do festival “Live to Rock”, organizado por Mauricio da Cruz Leite.  Das 11 da noite as 5 da manha o festival trouxe os mais variados gêneros de bandas para agradar todos os públicos.

O festival contou com o show das bandas:

Prad Ma  (Heavy Rock)

Ojeriza (Death Core)

Valveline (Hard/Heavy)

Galaxy (Hard Rock AOR)

Rygel (Prog Power)

O Rygel fez a sua primeira apresentação na cidade, e a apresentou a sua nova formação. Vindo direto de Santos, a banda encerrou o festival em grande estilo tocando as musicas do seu CD “Imminent”.

 

Veja abaixo a galeria de fotos do festival.

Vejas as fotos, e saiba como foi o Angra Day

Angra Day (50 de 83)

Na última Quinta Feira (22) aconteceu no Manifesto Bar em SP, o Angra Day. Este evento teve o intuito de aproximar a banda doa fãs.

Para quem é realmente fã do Angra, esse foi um evento imperdível, pois os integrantes da bandas estavam bem a vontade pelo local, conversando, tirando fotos e distribuindo autógrafos. Quem apareceu por lá e também deu total atenção aos fãs foi, Tarja Turunen. Ou Seja foi uma noite perfeita. Um Fato que me chamou a atenção foi que tando os integrantes do Angra quanto Tarja, atenderam até o último pedido de autografo e tiraram fotos com todos os presentes no local.

E pra fechar a noite, o Angra subiu ao palco e tocou várias musicas de sua discografia em formato acústico e ainda distribuiu vários prêmios para os fãs, como pedais, camisetas e até mesmo uma guitarra. Tudo isso em um clima de pura descontração.

Veja a baixo as fotos do Angra Day.